Por que olharam fixamente para 1975? (Parte I)


Caso alguém tenha ficado desapontado, por não seguir este raciocínio, deve agora concentrar-se em reajustar seu ponto de vista, por não ter sido a palavra de Deus que falhou ou o enganou e lhe causou desapontamento, mas, sim, seu próprio entendimento baseado em premissas erradas.” – A Sentinela 15 de janeiro de 1977, p. 57, §15 (destaque nosso).


Qualquer pessoa que teve ou tem algum vínculo ao movimento das testemunhas de Jeová tem algum conhecimento sobre os eventos relacionados ao ano 1975. Muitos se diz a este respeito, alguns que defendem que não houve nenhuma indicação nas publicações da Torre de Vigai que apontassem para os anos da década de 70 como um período profeticamente significativo quanto ao fim, e outros que defendem exatamente o contrário, porém, ao que parece nada parece muito concreto.

Analisando alguns sites que saem em defesa da Torre de Vigia, há um que chamou atenção, e encontramos um bom artigo intitulado “As Testemunhas de Jeová afirmaram que o “fim do mundo” viria em 1975?” e faz uma análise do livro lançado em 1966 “Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus” que foi o cerne de todo o assunto em torno da data de 1975, e argumenta extensamente sobre a equivocada opinião que se tem sobre o livro e os eventos subsequentes. O que diz este artigo? Quanto poderá esclarecer sobre o que realmente foi dito sobre 1975 nas publicações da Torre de Vigia? Que conclusões poderemos chegar?


Estabelecendo o Fundo Histórico”
Capa do livro Vida Eterna
na Liberdade dos Filhos
de Deus (1966)

Como já mencionado, o livro “Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus” (*) foi lançado em 1966 em congressos, como o realizado em Baltimore, EUA. O livro tratava de explicar uma revisão particular empreendida pela Torre de Vigia quanto a cronologia bíblica aceita até aquela época, que resultou no dado que desde sua criação, a humanidade completaria 6.000 anos em 1975 EC, ou em meados da década de 70, isto porque não se sabia quanto tempo depois Eva havia sido criada após Adão, e por conseguinte o início do “período de descanso” de Jeová. Então, terminando este “período de descanso” para Jeová seria inaugurado o reino milenar de Jesus, isto é, o último ciclo dentro do período de 7000 anos.

Existe algo que deve-se concordar: quanto ao ano 1975, a Torre de Vigia nunca disse especificamente que seria a data marcada para o fim do mundo e o início do reino. Até mesmo naquele congresso em Baltimore, ao fazer comentários sobre seu livro, F. W. Franz disse, como está transcrita em A Sentinela 15 de outubro de 1966, p. 631, no artigo “Rejoicing over “God’s Sons of Liberty” Spiritual Feast” :

E quanto ao ano de 1975? O que dirão, queridos amigos?”, Perguntou o irmão Franz. “Será que isso significa que o Armagedom terá sido concluído, com Satanás preso, em 1975? Poderia! Poderia!Todas as coisas são possíveis para Deus. Será que isso significa que Babilônia a Grande será posta a baixo em 1975? Poderia. Será que isso significa que o ataque de Gogue de Magogue será efetuado sobre as testemunhas de Jeová para exterminá-las, então ele mesmo Gogue será posto fora de ação? Poderia. Mas nós não estamos dizendo isto. Todas as coisas são possíveis para Deus. Mas nós não estamos dizendo isto. E não sejam específicos em dizer qualquer coisa que acontecerá a partir de agora até 1975. Mas o grande ponto de tudo isso é isto, queridos amigos: O tempo é curto. O tempo está se esgotando, não há dúvidas sobre isso”.

Bastante acautelador este comentário, não acha? Isto é o que foi dito naquela ocasião sobre o ano de 1975. E é verdade também que outros avisos acauteladores sobre isto foi repetido algumas vezes em A Sentinela 15 de dezembro de 1974 e 1º de novembro de 1975. Porém, quando 1975 passou houve um grande desapontamento por parte de não pouco número de testemunhas de Jeová nos anos que se seguiram. Mas, o que as levou a ficarem desapontadas?


Entendimento Baseado em Premissas Erradas”

Certamente tanto o livro “Vida Eterna” quanto qualquer outra publicação da Torre de Vigia nunca disse diretamente que 1975 era o fim do mundo. É interessante que o artigo do site em defesa da Torre de Vigia afirma que o discurso acautelador de F.W. Franz e os números já citados de A Sentinela “faz parte de um conjunto de evidências que estabelece a verdade sobre o que as Testemunhas de Jeová realmente afirmaram sobre o ano de 1975”. Mas, isto simplesmente não poderia ser verdade e choca-se frontalmente com o motivo pelo qual as testemunhas de Jeová naquela época alimentaram grande expectativa sobre 1975 e com o passar do tempo acabaram decepcionadas.

Anos após 1975, um número de A Sentinela 15 de janeiro de 1977, p. 57, §15 diz o seguinte sobre os que ficaram despontados: “Caso alguém tenha ficado desapontado, por não seguir este raciocínio, deve agora concentrar-se em reajustar seu ponto de vista, por não ter sido a palavra de Deus que falhou ou o enganou e lhe causou desapontamento, mas, sim, seu próprio entendimento baseado em premissas erradas.” (destaque nosso). Então, a razão do desapontamento foi a ineficiência do raciocino da testemunha que nutriu indevidamente esperanças sobre o ano 1975. Quão errado era o entendimento destas testemunhas? Eram infundadas as bases das premissas que as levaram ao desapontamento?

Acredito que o editor do artigo do site não reservou tempo suficiente para ler o livro “Vida Eterna” e as demais publicações da época, e a Torre de Vigia teve um súbito “lapso de memória” quanto ao que publicou. O que segue é o raciocínio usado no livro “Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus”, p. 27-30:


41 Desde o tempo de Ussher, fizeram-se estudos intensivos da cronologia bíblica. Neste século vinte, realizou-se um estudo independente que não acompanha cegamente certos cálculos cronológicos tradicionais da cristandade, e a tabela de tempo publicada, resultante deste estudo independente, fornece a data da criação do homem como sendo 4026 A.E.C. Segundo esta cronologia bíblica fidedigna, os seis mil anos desde a criação do homem terminarão em 1975 e o sétimo período de mil anos da história humana começará no outono (segundo o hemisfério setentrional) do ano de 1975 E.C.
42 Assim, seis mil anos da existência do homem na terra acabarão em breve, sim, dentro desta geração. Jeová Deus não tem limite de tempo, conforme está escrito no Salmo 90:1, 2: “Ó Jeová, tu mesmo mostraste ser uma verdadeira habitação para nós durante geração após geração. Antes de nascerem os próprios montes ou de teres passado a produzir como que com dores de parto a terra e solo produtivo, sim, de tempo indefinido a tempo indefinido, tu és Deus.” Portanto, do ponto de vista de Jeová Deus, a passagem destes seis mil anos da existência humana são apenas como que seis dias de vinte e quatro horas, pois este mesmo salmo (versículos 3 e 4) prossegue, dizendo: “Fazes o homem mortal voltar à matéria quebrantada e dizes: ‘Retornai, filhos dos homens.’ Pois mil anos aos teus olhos são apenas como o ontem que passou e como uma vigília durante a noite.” Assim, dentro de poucos anos em nossa própria geração atingiremos o que Jeová Deus poderia considerar como o sétimo dia da existência do homem.
43 Quão apropriado seria se Jeová Deus fizesse deste vindouro sétimo período de mil anos um período sabático de descanso e livramento, um grandioso sábado de jubileu para se proclamar liberdade através da terra a todos os seus habitantes! Isto seria muito oportuno para a humanidade. Seria muito apropriado da parte de Deus, pois, lembre-se de que a humanidade ainda tem na sua frente o que o último livro da Bíblia Sagrada chama de reinado de Jesus Cristo sobre a terra por mil anos, o reinado milenar de Cristo. Jesus Cristo, quando na terra há dezenove séculos, disse profeticamente a respeito de si mesmo: “Por que Senhor do sábado é o que é o Filho do homem.” (Mateus 12:8) Não seria por mero acaso ou acidente, mas seria segundo o propósito amoroso de Jeová Deus que o reinado de Jesus Cristo, o “Senhor do sábado”, correspondesse ao sétimo milênio da existência do homem.


Este raciocino um tanto complexo publicado no livro não é tão acautelador como se deveria esperar. Em primeiro lugar, apesar de em momento algum se dizer abertamente que o fim viria em 1975, o raciocino nestes parágrafos deu margem o suficiente para especulações. Em segundo lugar, é uma audácia o autor sendo humano e imperfeito sugerir o que seja “apropriado” ou “oportuno” o Deus Todo-poderoso fazer, e isto nos indica que o autor do livro tinha confiança de que isto não era uma mera opinião ou probabilidade, mas, sim uma possibilidade, até porque o reino milenar de Jesus começar após o final de 6000 anos de história humana seria, não por outro motivo ou por mero acaso aleatório, senão por ser “segundo o propósito amoroso de Jeová”.


Premissas erradas? De quem?

Poderá certificar-se com as publicações da época após o lançamento do livro “Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus” se as testemunhas desapontadas entenderam errado e se realmente basearam-se em premissas erradas:

Por conseguinte, estarmo-nos aproximando do fim dos primeiros 6.000 da existência do homem é algo de grande significado. Será que o dia de descanso de Deus decorre paralelamente ao tempo em que o homem tem estado na terra, desde sua criação? Parece que sim. Segundo as investigações mais fidedignas da cronologia bíblica, harmonizadas com muitas datas aceitáveis da história secular, descobrimos que Adão foi criado no outono do ano 4026 A.E.C. Em algum tempo naquele mesmo ano, Eva bem que poderia ter sido criada, logo após o que começou o dia de descanso de Deus. Em que ano, então, terminariam os primeiros 6.000 anos do dia de descanso de Deus? No ano de 1975. Isto é digno de nota, especialmente em vista de que os “últimos dias” começaram em 1914, e que os fatos físicos de nossos dias, em cumprimento da profecia, marcam esta como a última geração deste mundo iníquo. Por conseguinte, podemos esperar que o futuro imediato esteja cheio de eventos emocionantes para aqueles que depositam sua fé em Deus e em suas promessas. Isto significa que dentro de relativamente poucos anos testemunharemos o cumprimento das profecias restantes que têm que ver com o “tempo do fim”.” – Despertai! de 22 de abril de 1967, p.20, artigo: “Quanto Tempo Ainda Levará?” e, sob o subtítulo “Os 6.000 Anos Terminam em 1975”.


É necessário fazer comentário aqui? Numa linguagem acauteladora a resposta a pergunta de se o dia de descanso de Deus decorre paralelamente ao tempo em que o homem tem estado na terra, desde sua criação, deveria ser “nada aponta para isto”, ou “não está claro o suficiente para fazermos tal afirmação”. Mas, “parecia” que sim, então, ficaria a critério do leitor resolver se assumiria que realmente “parecia que sim” ou o contrário, dependendo de quantas evidências ele encontrasse para decidir o assunto, e o que mostrará as próximas publicações, os leitores das publicações da Torre de Vigia tiveram evidências o suficiente para concluir que, sim, realmente parecia que sim. Veja:


Publicidade aos anos 1970 
O futuro imediato, com certeza, estará repleto de eventos climáticos, pois este velho sistema se aproxima de seu fim completo. Dentro de alguns anos, no máximo, as partes finais da profecia bíblica relativas a estes “últimos dias” terão cumprimento, resultando na libertação da humanidade sobrevivente para o glorioso reino milenar de Cristo. Que dias difíceis, mas, ao mesmo tempo, que dias grandiosos estão bem à frente!” – A Sentinela 1º de novembro de 1968, p. 660.


O fato de que já se passaram quase cinquenta e cinco anos do período chamado de ‘últimos dias’ é altamente significativo. Quer dizer que restam apenas alguns anos, no máximo, antes de o corrupto sistema de coisas que domina a terra ser destruído por Deus.” – Despertai! 22 de abril de 1969, p. 13 em “O Que Trará a Década de 1970?”. 

Há outro meio que ajuda a confirmar que vivemos nos poucos anos finais deste “tempo do fim”. (Dan. 12:9) A Bíblia mostra que nos aproximamos do fim de 6.000 completos da história humana.” – Despertai! 22 de abril de 1969, p. 13 em “O Que Trará a Década de 1970?”.


"O Que Trará a Década de 1970?"
Esta capa é um exemplo da expectativa 
criada em torno da década de 70.

Já se passaram quase 50 anos desde que isto foi escrito. Além da enorme publicidade dada a década 70 nas publicações, o que a expressão “dentro de alguns anos, no máximo” ou “restam apenas alguns anos, no máximo” significa? Se elas não estavam relacionadas com a proximidade de 1975 e com o fim dos 6.000 anos de história humana e o início do reinado de Jesus, então, o que significavam? O “futuro imediato” é tão próximo quanto 30 ou 50 anos?

Até aqui compreendemos que as afirmações em A Sentinela sobre que as testemunhas de Jeová que se sentiram desapontadas ficaram assim por seu próprio entendimento baseado em premissas erradas é, em realidade, uma afirmação totalmente incorreta. Elas tiveram bases para este entendimento, a saber, que 1975 traria algo especial, no caso o reino milenar de Cristo, até porque as próprias publicações foram em muitos casos mais taxativas do que deveriam sobre 1975.

Foi possível compreender também que o livro “Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus” não fica isento de culpa quanto ao teor de sua matéria, que de maneira bem elaborada e sutil sugeriu algo especial e profeticamente significativo para 1975, e não apenas como um 'dado histórico' como afirmou o site de apologia à Torre de Vigia.

No próximo artigo você poderá analisar mais citações do que foi publicado pela Torre de Vigia sobre este assunto, quais evidências existe que realmente se aguardava algo especial em 1975, e como a Torre de Vigia tratou o assunto quando não aconteceu o que se aguardava.


Notas:

(*) Poderá fazer o download do livro “Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus”, neste link: https://goo.gl/uRY1AE


Atenção! Poderá replicar a informação em seu site, blog ou qualquer outra mídia sem qualquer restrição, desde que você cite adequadamente que O Zigurate é sua fonte da informação.

Postagens mais visitadas deste blog

Editorial - Abril de 2016

Jesus Recebia Mais do Que uma Simples Reverência...

O Relato da Criação e a Ciência – Compatíveis?